Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Experimentámos!

E vamos dar a nossa opinião.

Experimentámos!

E vamos dar a nossa opinião.

Chá e scones para aquecer o Inverno no Porto

Em plena Av. Brasil, em frente ao mar, fica uma das mais simpáticas casas de chá do Porto: o Chá das Cinco. Com uma decoração alegre e clássica, é o local mais indicado para comer uns scones num ambiente acolhedor. Para além dos maravilhosos scones, sempre acabados de fazer e acompanhados de magníficos doces e compotas, servem sumos naturais, vários chás, bolos caseiros e outras iguarias. Ideal para quem pretende passar uma tarde calma, seguida de um passeio junto ao mar.

Para quem prefere passear num jardim ou para quem visita o museu de arte contemporânea, pode optar pela casa de chá dos jardins de Serralves. Fica no meio de um dos jardins mais bonitos da cidade, foi recentemente recuperada e tem um ambiente bastante agradável. Uma experiência a não perder.

Na Avenida da Boavista e para quem procura requinte num ambiente verdadeiramente tradicional, existe o "Chá Clube", com  propostas de grande qualidade, mas a preços elevados.

Com um ambiente oriental e perto das melhores galerias de arte do Porto, recomendo uma casa de chá mais alternativa, a Rota do Chá, que fica no edifício Artes em Partes, na Rua Miguel Bombarda. Com um jardim muito bem decorado, é o local ideal para passar uma tarde descontraída. A oferta de chás é extensa e de óptima qualidade.

Para finalizar, recomendo uma visita à emblemática Casa de Chá da Boa Nova, que fica num edifício belíssimo (um dos primeiros projectos de Álvaro Siza Vieira), mesmo por cima do mar, em Leça da Palmeira - ou seja, a cerca de 20 minutos do Porto.

Lanchar na Confeitaria Nacional

Em dias de frio, que teimam em não aparecer, nada melhor que lanchar na Confeitaria Nacional, em Lisboa.

Assim que entramos, somos levados para outros mundos onde tudo é bonito, delicioso, afável e familiar. As escadas de madeira conduzem-nos ao salão de chá com as janelas delicadamente salpicadas de floreiras enquanto espreitamos para a Praça da Figueira.

A selecção é variada e os aromas deliciosos. A diversidade de chá chega a ser enervante só pela dificuldade da escolha. Aconselho no entanto, o Winter Tea que nos aquece a alma juntamente com os deliciosos scones acompanhados de compotas e polpas incomparáveis.

Mas para uma experiência singular só o maravilhoso Bolo-Rei. É o melhor Bolo-Rei do mundo e arredores, e faz parte do meu imaginário de infância, quando todos os Natais acedíamos a esta iguaria inigualável. O que é fantástico é que na Confeitaria Nacional, podemos desfrutar deste prazer durante todo o ano e à fatia!

Só para rematar, ao contrário de quase todos os estabelecimentos seculares lisboetas, os empregados são de uma simpatia extrema, ficando nós com a sensação clara, de que gostam mesmo de ali trabalhar e sentem orgulho de pertencer à equipa da melhor e mais tradicional confeitaria da cidade. (Os lisboetas sabem bem do que falo, quando em estabelecimentos de renome, somos atendidos como se nos estivessem a fazer um imenso favor!) Eu fui atendida pelo Sr. Artur e só posso gabar a sua simpatia e dedicação à "causa".

Voltarei em breve porque ainda há muita delícia a saborear e não são todos os dias em que podemos fazer viagens no tempo e revisitar sabores que apenas vivem nas páginas dos livros das avós... Meus amigos: a não perder!

Localização: Boa
Serviço: Muito Bom
Instalações: Muito Bom
Relação Qualidade/Preço: Boa
Mais informações: Confeitaria Nacional

À descoberta dos sabores...

Confesso que me perco por boa comida.
Embora não me deslumbre com muita coisa, há pratos que me levam ao céu. E tento aprender a fazê-los para repetir indefinidamente estes prazeres.

Em tempos, e por gostar tanto de comer e de cozinhar, decidi aprofundar as minhas habilidades culinárias e propus-me aprender as técnicas base da cozinha e os seus segredos mais recônditos que não se encontram em livro nenhum.

Frequentei o Curso da Vaqueiro das Técnicas de Cozinha, composto por cinco módulos, cada um versando uma técnica e respectivos truques, receitas e características, tanto dos produtos a confeccionar, como dos próprios procedimentos.

Descobri os guisados e estufados, as cozeduras e os assados, os salteados e uma infinidade de segredos que nos espreitam por detrás de cada cozinha e que só a nós compete desvendar. Devo confessar que fiquei viciada, e a partir daí tenho frequentado inúmeros cursos temáticos. Dos cogumelos aos soufflés, das receitas de Natal às outras para impressionar, por todos este sabores passei e dominei!

O procedimento consiste em observar e atentar às explicações da incansável Minô – coordenadora dos cursos – e do chef Carlos Madeira que gentilmente respondem às questões mais básicas e disparatadas e nos ensinam pacientemente a comprar e a confeccionar melhor e de forma mais saudável, os alimentos. Depois dos apontamentos, dirigimo-nos, em grupos de dois, às ilhas respectivas contendo todos os utensílios necessários à feitura da nossa receita. Passamos a confeccioná-la, sempre sob os olhares atentos dos mestres, que nos corrigem e ajudam quando necessário.

O resultado é um repasto em grupo, provando de todas as receitas confeccionadas, num jantar misto de sabores, novas experiências e conhecimentos e com a satisfação de missão cumprida. Ah! E de barriguinha cheia de iguarias invejáveis.

Vale a pena experimentar! Aconselho vivamente a quem gosta de comer, de descobrir a alquimia da cozinha, de desvendar os segredos que todos escondem e de partilhar uma mesa com gente de interesses comuns. Uma excelente forma de passar um serão!

Para mais informações: Cursos Vaqueiro

Experiência: Muito Bom
Instalações: Muito Bom
Relação Qualidade/Preço: Bom