Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Experimentámos!

E vamos dar a nossa opinião.

Experimentámos!

E vamos dar a nossa opinião.

O Belo do Croquete

Uma coisa tremendamente alfacinha — ou uma alfacice bastante coisa — é a eterna discussão do "best of" alimentar, especialmente dos acepipes: qual o melhor rissol, onde o mais perfeito croissant, ou o mais redondo queque (como dizia aquela jovem turista alemã): "Em Lissabon experrimentei os melhores quecas".

Certamente que é uma boa pauta para um blog gourmet, e que promete inflamar colaboradores, leitores e apreciadores alike.

Pois bem, propomo-nos começar esta momentosa actividade crítica com um dos acepipes mais consumidos e, geralmente, de pior qualidade: o CROQUETE. Geralmente, isto é, na maioria das pastelarias e estabelecimentos similares, é uma massa cilíndrica que poderia ser usada no Iraque como bucha nos canhões de 120mm dos Abrams — mas nós não apoiamos a guerra do Iraque, portanto temos de os engolir nós mesmos, azarito.

Durante anos julgava que o melhor croquete era o do Gambrinus; estaladiço por fora, macio por dentro, bem temperado, recém-frito, caríssimo, impecável. Em segundo lugar, mas ainda na liga premium, o da Versailles, próprio para levar para casa ou degustar ao balcão, sem as cerimónias inevitáveis do feito na hora do Gambrinus.

Mas há algum tempo, por um mero acaso, descobri o croquete do Pap'Açorda. Não vem na ementa, mas pode ser pedido ao balcão enquanto se espera que o Zé Miranda se comova a despejar alguma mesa para nós (com reserva feita; ir lá sem reserva é sujeitarmo-nos às piores sevícias). Presumo que também possa ser pedido no dito balcão sem se ter reserva para jantar, mas nunca ousei.

Ora bem, é um croquete indescritível, portanto não procurei adjectivos. Só provado. Perguntei timidamente ao Zé qual era o segredo, só para ser simpático — imaginem se aquele tipo revela algum segredo! Mas, milagre, ele revelou: "o segredo está no bechamel".
Ora eu, que nem sabia que os croquetes levam bechamel, reduzi-me à minha insignificância — e aumentei-me em meio quilo daquelas delícias. Experimentem, mas não digam que fui eu...

 

399a82fa5901f80c7370a3cee13037a60e2319b4.jpg

(Foto SAPO Lifestyle)

 

Por: José Couto Nogueira

Publicidade