Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Experimentámos!

E vamos dar a nossa opinião.

Experimentámos!

E vamos dar a nossa opinião.

Chá e scones para aquecer o Inverno no Porto

Em plena Av. Brasil, em frente ao mar, fica uma das mais simpáticas casas de chá do Porto: o Chá das Cinco. Com uma decoração alegre e clássica, é o local mais indicado para comer uns scones num ambiente acolhedor. Para além dos maravilhosos scones, sempre acabados de fazer e acompanhados de magníficos doces e compotas, servem sumos naturais, vários chás, bolos caseiros e outras iguarias. Ideal para quem pretende passar uma tarde calma, seguida de um passeio junto ao mar.

Para quem prefere passear num jardim ou para quem visita o museu de arte contemporânea, pode optar pela casa de chá dos jardins de Serralves. Fica no meio de um dos jardins mais bonitos da cidade, foi recentemente recuperada e tem um ambiente bastante agradável. Uma experiência a não perder.

Na Avenida da Boavista e para quem procura requinte num ambiente verdadeiramente tradicional, existe o "Chá Clube", com  propostas de grande qualidade, mas a preços elevados.

Com um ambiente oriental e perto das melhores galerias de arte do Porto, recomendo uma casa de chá mais alternativa, a Rota do Chá, que fica no edifício Artes em Partes, na Rua Miguel Bombarda. Com um jardim muito bem decorado, é o local ideal para passar uma tarde descontraída. A oferta de chás é extensa e de óptima qualidade.

Para finalizar, recomendo uma visita à emblemática Casa de Chá da Boa Nova, que fica num edifício belíssimo (um dos primeiros projectos de Álvaro Siza Vieira), mesmo por cima do mar, em Leça da Palmeira - ou seja, a cerca de 20 minutos do Porto.

Arte à beira-rio

A Ler Devagar e a Eterno Retorno, duas das mais emblemáticas livrarias da capital, mudaram-se do Bairro Alto para a zona ribeirinha, dividindo agora a Fábrica Braço de Prata, antiga propriedade do exército dedicada à produção de armamento. Mas desengane-se quem pensa que estamos perante uma loja onde se vendem livros. Mantendo o espírito das antigas instalações, alargando-o mesmo, o espaço de 700m2 inaugurado no Verão é um dos mais acolhedores de Lisboa e altamente recomendado para quem não está para grandes confusões e aprecia um programa cultural.

Dividida em doze salas temáticas e três ateliers, que receberam o nome de escritores e filósofos, a Fábrica (como já é conhecida pelos habitués) oferece-nos a oportunidade de vermos exposições diversas, deliciarmo-nos com filmes que não passam todos os dias nas salas de cinema, lermos e adquirirmos livros, assistirmos a debates, conferências e lançamentos ou ainda, de levarmos para casa artigos raros em segunda mão. E claro que a música não foi esquecida, sendo de destacar a realização de concertos (uns gratuitos, outros com bilhetes de preço simbólico) para apreciadores dos mais diversos géneros, num ambiente informal e intimista, bem diferente das grandes salas tradicionais.

Uma visita ao bar/restaurante é indispensável a quem passar pelo espaço de Poço do Bispo. Uma refeição leve, um copo de vinho ou um chá em final de noite são algumas das sugestões. Isto sem esquecer as deliciosas sobremesas, ideais para acompanhar uma boa conversa à média luz. Quem preferir o ar livre, tem ainda uma bela esplanada, onde não falta animação durante os meses mais quentes do ano.

Se ainda acreditam que a cultura é uma coisa enfadonha, está na altura de pensarem duas vezes. Esqueçam a música aos altos berros, os pseudo-VIPs aos encontrões e as horas intermináveis à espera de serem atendidos nos bares da moda.

Dêem um salto à Fábrica e verão que difícil será não ficarem com uma enorme vontade de voltar. Eu cá confesso que não me importava nada de me mudar para lá.

Localização: Boa
Serviço: Muito Bom
Instalações: Muito Bom
Relação Preço/Qualidade: Muito Bom
Mais informações em: Fábrica

Por: Alexandra Gil

Publicidade